27 de abr de 2012

Deixando o sofá


Da última vez, procurei mostrar que a caminhada ou corrida serve como uma espécie de objetivo para os sedentários. Deixe-me acrescentar mais um ponto de vista: você não é preguiçoso, o seu corpo é que faz de tudo para deixá-lo quieto no canto. Sendo assim, para quem está pensando em sair do sofá, acredito que falar em planilhas de treinamento não seja adequado neste primeiro momento. Sugiro alguns pequenos passos para que faça a coisa certa, da forma certa, no tempo certo.
  

A avaliação médica
Nunca faça uma atividade física, sem antes ter passado por uma avaliação médica adequada.
O médico é quem melhor pode indicar o tipo de exercício a que seu corpo poderá ser submetido, sem comprometer a sua saúde.
O primeiro passo é conhecer seu próprio corpo.




O vestuário
Procure usar roupas confortáveis e próprias à temperatura. É desagradável caminhar no sol sentindo calor ou no inverno sentindo frio. Use roupas frescas no verão e agasalhos no inverno, pois manterão seu corpo na temperatura adequada, além do seu bom humor.
Agora, tenha muita atenção e não poupe quando se tratar do tênis. É ele que vai proteger seus pés, ponto de contato do corpo com o solo, dos impactos que recebemos.
Algumas lojas de material esportivo possuem um equipamento que avalia a sua pisada, para que possa comprar o modelo de tênis mais adequado.


A alimentação
Sair para atividade física sem alimentação, interfere diretamente no rendimento. Faça uma alimentação leve pelo menos 30 minutos antes de sair para caminhar.
Ingerir algumas frutas ou alimentos integrais podem trazer algum desconforto durante a caminhada, então não exagere. Um suco de frutas e uma fatia de pão com queijo branco são uma boa opção.






A caminhada
Primeiro crie uma rotina semanal de caminhadas. Comece com 20 minutos diários e vá aumentando ao longo do tempo.
Passados aproximadamente 20 dias, quando já se sentir confortável, tente colocar em seu trajeto pequenas subidas ou parques. A mudança de terreno modifica o comportamento de seu corpo, aumentando o equilíbrio e criando um “lastro” com o passar dos tempos.
O aumento de esforço só deve ser feito de forma gradativa, conforme o exercício se mostrar mais fácil. Aumento repentino pode causar lesões de difícil tratamento, sem contar que interrompe suas caminhadas.



A hidratação
Nosso corpo é constituído em sua maior parte por líquido, é ele o responsável pela ventilação e controle da temperatura. Faça ingestão de água ou isotônicos durante a caminhada, como forma de compensar sua perda e manter a hidratação.
Ao final, nada mais gostoso que um suco ou uma água de coco gelada.






Certamente, em pouco tempo, você vai estar mais bem humorado e seu sofá servirá para ótimos bate-papos sobre suas corridas.

Que venham os primeiros trotes!

24 de abr de 2012

Crie objetivos


Não existe nada mais desanimador, depressivo e infeliz do que viver sem objetivos. No caso da corrida, o problema é o mesmo.

Quem é sedentário, permanece assim porque quer e tem dificuldades em estabelecer um objetivo que seja motivador e desafiador. Seja ir caminhar todos os dias até a padaria, deixar o carro e ir trabalhar a pé, percorrer o Caminho de Santiago de Compostela ou até mesmo correr uma maratona, o importante é ter objetivos. Deixe a preguiça de lado e saia do sofá!

Outra coisa, esta história de dizer que “não tem tempo”, é apena uma forma de auto-convencimento de que a corrida não está entre suas prioridades. Então, não se engane, coloque-a entre suas prioridades criando espaço para ela.

Vamos fazer o seguinte, se você quer começar ou se sentir mais realizado com as corridas, não pense apenas em acordar no final de semana e dar uma corridinha de 30 minutos. Estabeleça uma prova-alvo a ser feita em no máximo, 1 mês. Pode ser uma prova de 4Km ou 5Km, mas crie seu primeiro objetivo para medir o progresso.

Se não tem uma assessoria esportiva, busque por sites de corrida que tenham planilhas de treinamento para iniciantes. No mínimo vão aparecer uns 120mil resultados, acho que um deles deve servir para você.

Escolha aquela que esteja mais adequada ao tempo que você se propõe a dedicar aos treinos. O ideal é que seja, pelo menos 3 vezes por semana. Imprima a planilha e coloque em um local que esteja sempre a vista. Digamos a geladeira?!

Todo dia vá até sua planilha, veja qual seu treinamento e prepare-se física e mentalmente para ele. OK! No inicio, não é fácil sair para treinar (no inverno até piora), mas tenho certeza que ao voltar do treino, você irá se sentir mais feliz com si mesmo e por tê-lo completado.

Se o seu objetivo não é correr e sim, perder peso, tudo bem! Saia para caminhar, e tenha certeza de que no caminho vai encontrar uma farmácia ou outro lugar qualquer que tenha uma balança. Pese na ida e na volta. Você vai ver como perdemos peso com facilidade. Que seja 100g por dia, mas ao final de 30 dias, são cerca de 3Kg. Pense nisto!

Para facilitar o acompanhamento de seu progresso, anote seus resultados em um caderno ou planilha eletrônica.

E então, já criou seu primeiro objetivo?

Abraços e boas corridas.

22 de abr de 2012

Só você muda sua vida!


Expectativa para largada da Maratona de Paris 2009

Como esta é minha primeira postagem, queria como muitos dar meu testemunho de como você pode fazer para mudar.
Imagine um cara com então 38 anos, sedentário, fumante, estressado, acima do peso, com riscos hereditários de cardiopatias e hipertensão.
Pois é, eu tinha exatamente este perfil e em rota de colisão!
Após exames de rotina, o médico me disse que se não mudasse meus hábitos alimentares e físicos, pouco poderia fazer para melhorar minha expectativa futura.
Não que tudo tenha mudado, ou que tenha sido fácil, mas consegui aos poucos as mudanças que precisava fazer em minha vida.
Então, se você acha que mudança em sua vida é algo difícil, complicado, problemático, inatingível, saiba que só uma pessoa poderá te convencer. Você mesmo!
Cara vai para rua, ande a pé, de bicicleta, nade, jogue futebol, brinque com seus filhos ao ar livre, mas ponha este seu único corpo para se movimentar e tirar a preguiça de cima.
Qualquer dia conto mais detalhes de como me modifiquei.
Grande abarco em bons treinos!

21 de abr de 2012

Cortina de fumaça

Bom pessoal, você já tem uma idéia de como eu era, então vou procurar dizer como foi a transição.
A certa altura em 1999, procurei fazer meus exames de rotina e acabei procurando um cardiologista.
Após a consulta saí com a impressão que até aquele momento, tudo que eu havia feito literalmente estava me detonando por dentro. Eu tinha exatos 45 dias para fazer com que minhas taxas voltassem ao normal, ou então, entraria numa rotina de remédios.
Como não sou nem um pouco fã de tomar remédio, resolvi encarar o desafio de mudar minha rotina para evitar os remédios.
Iniciei com pequenas voltas no quarteirão, a esta altura não poderia nem falar em caminhadas. Me sentia o verdadeiro Joaquim Cruz. Saía de short, camisa e um pesado tênis, subindo e descendo desenfreadamente as ruas do bairro, chegava em casa parecia que havia passado por um temporal no caminho (isto ainda acontece), mas chegava feliz da vida.
Não era de ferro, tomava meu banho e sentava relaxadamente para fumar um cigarro. Ops!
É claro que meus progressos não eram tão significantes, embora me dedicasse diariamente. Havia algo que impedia uma melhora de performance, mas ao final dos 45 dias havia atingido a marca de taxas dentro dos níveis normais e com 10 quilos a menos.
Durante os próximos meses encarei o aumento das caminhadas, mas começava a ficar monótono apenas caminhar pelo bairro. Já estávamos em meados de 2001, foi então que resolvi caminhar pelo calçadão perto da praia.
Putz, como era gostoso!
Só que tem que, ao mesmo tempo em que eu me sentia bem com aquela paisagem, me sentia um pouco deprimido. Via algumas pessoas passarem “voando” ao meu lado, inclusive muitos animados idosos senhores.
Decidi que chegara a hora de começar a correr.
- Se todos eles fazem, eu também posso fazer.
Então o que fiz?
No primeiro final de semana, caminhei de minha casa até a praia de Icaraí, uns 3 Km, lá chegando andei mais 10 minutos, e vamos ao trote .....
Foram longos 100 metros e finalmente terminei o meu primeiro trote.
O coração batia na boca, eu bebia água na vã tentativa de fazê-lo voltar ao seu lugar dentro do peito, procurava não ligar para as dores na canela, nem para aquela maldita dor no abdômen, meu rosto mais parecia o rosto de um indígena com uma pintura de vermelho urucum, mas ao final de meia hora tudo havia voltado ao “normal”.


Foi aí que entendi que o que estava faltado, não era o coração, ou os músculos da perna. Faltava ar!
Não precisa ser muito gênio, para chegar a conclusão que algo precisava ser feito em relação a isto.

http://www.flickr.com/photos/lelis718/2928778113/sizes/n/in/photostream/
Chegou a hora de encarar o primeiro grande desafio das corridas: Eu precisava parar de fumar!

Grande abraço e bons treinos.